Vacina contra dengue tem vendas fracas em Belém

Data: 12/01/2017

A procura pela imunização deve crescer ao longo do inverno.

A vacina Dengvaxia, contra os quatro tipos de dengue, não caiu no gosto popular. As vendas têm sido abaixo da média esperada pelas clínicas de Belém e pela própria fabricante, o laboratório Sanofi Pasteur. As listas de espera já não existem mais.

Os preços e complexidade para receber as três doses - precisavam ser em grupo e com hora marcada - afastaram o público, que preferiu investir em outras formas de proteção em casa e no trabalho. Por isso, o laboratório até criou doses individuais e isso reduziu o preço, mas a medida não resolveu o problema das vendas. Ainda não há previsão para distribuição pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Breno Monteiro, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Saúde do Pará (Sindesspa), destaca que a sociedade deve se proteger de todas as formas. Contudo, acredita que além do preço e do modo de aplicação de todas as doses, o fato de o Zika vírus ter sido o principal vilão de 2016 e a previsão ser de que o vírus Chikungunya seja o inimigo deste ano, acabou afastando ainda mais o interesse. A Dengvaxia só protege contra dengue. "Infelizmente é uma procura muito baixa para uma vacina tão importante", lamentou.

Quatro clínicas comercializam a vacina em Belém. A Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que a Dengvaxia não poderá custar mais que R$ 138,53 (mesmo preço de fábrica) e pede que os clientes das clínicas particulares denunciem preços abusivos. Os pacientes podem (e devem) pedir a nota fiscal com todos os preços discriminados.

As clinicas podem até cobrar um valor final mais alto com os serviços, mas a vacina em si tem o teto de preço. Qualquer abuso deve ser denunciado a órgãos de defesa do consumidor e Ministério Públicos Federais. A multa pode variar de R$ 590 a R$ 8,9 milhões. Em alguns estados, como Pernambuco, por exemplo, a vacina chega a custar mais que o dobro. Cabe ao consumidor pesquisar.

Uma vez diluída para aplicação, a vacina tem validade de seis horas, levando as clínicas a formar os tais grupos de aplicação. Os preços finais (incluindo serviços) são a partir de R$ 300. A proteção, no mínimo, é de cinco anos.

O médico infectologista Newton Bellesi, proprietário da clínica Climep, uma das quatro clínicas particulares que têm a vacina, explica que a Dengvaxia é composta de três doses. Após a aplicação da primeira, a segunda será em seis meses. Mais seis meses depois (um ano após a primeira dosa), é feita a última.

Há possibilidade de contrair dengue neste período, mas algumas pessoas já terão imunidade quase total desde a primeira dose. "Isso varia de organismo para organismo. O efeito completo e o melhor resultado é só com o fechamento do ciclo de três doses", explica. A proteção prometida pelo fabricante é de 93% contra casos graves da doença, redução de 80% das internações e eficácia global de pouco mais de 60% contra todos os tipos do vírus.

Assim como outras vacinas, pode haver efeitos colaterais, como febre ou algum desconforto no local da aplicação. Nenhum outro sintoma da dengue deve ser identificado como consequência da vacina. Quem já estiver doente não pode receber a vacina antes de restabelecer a saúde. Grávidas não podem tomar. A idade recomendada para receber a Denvaxia é entre 9 e 45 anos. Após receber cada dose, só é possível doar sangue pelo menos depois de quatro semanas. Outros métodos de proteção, como repelentes, devem continuar sendo usados e o mosquito deve ser combatido normalmente. Não há problema em tomar em conjunto com outras vacinas.

ONDE ENCONTRAR

Clínica Climep

Avenida Braz de Aguiar, 410, Nazaré

3181-1644

Clínica Prophylaxis

Travessa Dom Romualdo de Seixas, 1560, 06, Umarizal.

3038-9875

Clínica Vaccini

Rua Domingos Marreiros, 218, Umarizal,

3242-5846

Clínica Intervida

Travessa Dom Pedro I, 1016, Umarizal

FONTE: PORTAL ORM NEWS

Endereço: Tv. São Pedro, 566 - Belém - PA, 66023-570 

Telefone: (91) 3224-1819 // (91) 3224-8606