Os perigos da automedicação contra o coronavírus

Data: 18/05/2020

Ainda não há medicamentos ou vacinas para conter o avanço do coronavírus. Um exemplo uso da cloroquina que ainda está em fase de testes e estudos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o uso da cloroquina combinado com o antibiótico azitromicina é uma das quatro medicações de medicamentos que estão sendo testados em 74 países. Ainda segundo a OMS, nenhum produto farmacêutico se mostrou seguro e eficaz para tratar o Covid-19.

 

“E diante desse quadro de incertezas, muitas pessoas podem se automedicar”. O alerta é do membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia e médico do Departamento de cardiologia da Rede Mater Dei e do Hospital Belo Horizonte, Dr. Augusto Vilela.

 

Pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) revelou que quase metade dos brasileiros se automedica pelo menos uma vez por mês. O estudo revelou também que a automedicação é um ato comum para 77% dos brasileiros.

 

Dr. Augusto Vilela explica que aí está o problema. “Não se sabe os efeitos das medicações contra o Covid-19, já que estamos diante de um vírus novo. E isso pode causar mais danos à saúde”, afirma. Para o médico cardiologista o ideal é seguir as recomendações da OMS, seguir o isolamento social, e evitar a infecção pelo vírus. “Não sabemos se haverá remédio para o coronavírus. O certo é evitar a contaminação”, enfatiza.

 

Atualmente se fala de duas medicações para se tratar COVID 19 (cloroquina e azitromicina) que são usadas em casos restritos, individualizados, e em pacientes internados. Dr. Augusto Vilela explica que o medicamento não deve ser usado fora do ambiente hospitalar: “não é seguro”.

 

Cloroquina / hidroxicloroquina

 

Importante destacar que essas medicações não previnem contra a infecção pelo coronavírus e seu uso está restrito a tratamento de pacientes internados com a doença, individualizados caso a caso. As pessoas que tomarem esse remédio sem indicação ou supervisão médica precisam ficar atentas, pois tem o risco de cegueira, de lesão na retina, de problemas hepáticos, de anemia e, mais importante ainda, podem apresentar arritmias potencialmente graves e até fatais.

 

Azitromicina

 

Pode selecionar bactérias mais resistentes a antibióticos quando usado inadvertidamente, causar dores abdominais, diarreia, náuseas, vômitos, disfunção auditiva incluindo risco de surdez, convulsão e arritmias cardíacas graves.

 

Fonte: Segs

Endereço: Tv. São Pedro, 566 - Belém - PA, 66023-570 

Telefone: (91) 3224-1819 // (91) 3224-8606